Rio apresenta superávit na Balança Comercial

Apesar da quebradeira na economia do Governo do Estado do Rio, no âmbito da iniciativa privada, em meio à crise econômica, há sinais de recuperação. De acordo com o Boletim Rio Exporta, elaborado pelo sistema Firjan, o Estado fluminense apresentou em fevereiro saldo de US$ 1,3 bilhão na balança comercial. As exportações atigiram nada menos que US$ 2,3 bilhões, ao passo que o estado fez importações de apenas US$ 964 milhões no mesmo período, o que representa expressivo aumento de 162% nas vendas externas contra 24% nas compras dos países parceiros comerciais, em relação a fevereiro de 2016.

Dados do boletim mostram que no primeiro bimestre de 2017, as exportações aumentaram 105% em comparação com o mesmo período de 2016. Por outro lado, as importações finalmente reverteram a tendência de queda mensal registrada desde dezembro de 2015. O desempenho das exportações do Rio foi impactado pelas vendas externas de produtos básicos (US$ 1,7 bilhão), principalmente petróleo, cujo aumento da quantidade exportada e do preço do barril fizeram com que a receita de exportação quadruplicasse no comparativo mensal.

Indústria – A indústria, que desde 2014 sofria com a queda vertiginosa do consumo, e promoveu milhares de demissões, registrou agora em fevereiro aumento de 29% nas vendas de industrializados, com a realização de negócios da ordem de US$ 546 milhões para o exterior, com destaque para as indústrias do setor de metalurgia e de veículos automotores, com Ênfase para países da União Europeia, como Portugal, Alemanha, Países Baixos, e países da Associação Latino-Americana de Integração, a Aladi, que encomendaram mais veículos, máquinas e motores.

Importações – De acordo com os levantamentos do Boletim Rio Exporta, as importações seguiram tendência nacional e avançaram no comparativo mensal pela primeira vez em 14 meses. Houve aumento na importação de combustíveis por parte do estado do Rio, em 107%, que representa gasto elevado, com  carvão e petróleo, mas pode ser considerado despesa neutra, porque boa parte dos gastos foram com insumos (óleo e carvão são energia) que impulsionam a indústria. Houve aumento  também nas importações de bens industriais e de consumo, com ênfase nos automóveis. Vale ressaltar que houve uma redução no ritmo acelerado das importações da China. A queda na compra dos chamados xinglings caíram caíram 22% em fevereio, e ficaram no patamar dos US$ 64 milhões.

Made in USA – As importações, exceto petróleo, cresceram 9%. De acordo com o boletim, o avanço foi causado principalmente pelas maiores compras de produtos dos Estados Unidos, um total de US$ 293 milhões. Além disso, também aumentaram os desembarques de produtos alemães, que levaram ao aumento de 2% na importação originada da União Europeia.

Brasil – Enquanto isso, o Brasil registrou superávit de US$ 1,249 bilhão na terceira semana de fevereiro. As exportações chegaram a US$ 4,274 bilhões, e as importações, US$ 3,025 bilhões. A média das exportações atingiu exressivos US$ 854,8 milhões. Este valor ficou 12% acima do registrado até a segunda semana de fevereiro que foi de US$ 763,5 milhões).

Acumulado do ano – No acumulado, nos dois primeiros meses de 2017 as exportações do Brasil totalizaam US$ 25,294 bilhões e as importações S$ 20,154 bilhões. Isso representa um superávit de US$ 5,140 bilhões, portanto crescimento de 85,3% em relação ao igual período de 2016, quando o valor atingido foi de US$ 2,773 bi.Está tramitando na Câmara de Vereadores de Campos um Projeto de Lei nº 0025/2017, enviado pelo prefeito Rafael Diniz extinguindo extinção da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Município de Campos dos Goytacazes (Arsep). A Agência foi criada pela prefeita Rosinha Garotinho no final de sua gestão.

A Agência Reguladora de Serviços Públicos tem por finalidade exercer o poder regulatório, acompanhando, controlando e fiscalizando as concessões e permissões de serviços públicos municipais. Uma das finalidades da Agência Reguladora também é oferecer proteção aos usuários contra práticas abusivas e monopolistas.

Além disso, a Arsep tem autonomia financeira. Seus recursos são oriundos da cobrança de taxa de regulação, aplicação de multas, convênio, acordos ou contratos que vierem a celebrar e outros.

A hoje vereadora Joilza Rangel chegou a ser nomeada por Rosinha para exercer na Agência Reguladora o caro de conselheira, mas acabou exonerada pelo prefeito Rafael Diniz no dia 3 de janeiro deste ano, segundo o Diário Oficial (DO) do Município.

Jualmir Delfino

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: